Depois de 9 meses veio o resultado

Operações de combate à pirataria de músicas e filmes fizeram com que em 9 meses obtivesse o resultado de 475 computadores de 88 LAN houses do país apreendidos entre janeiro e setembro deste ano, um aumento de 148% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados são da APCM (Associação Antipirataria Cinema e Música), que monitora a internet para coibir esse tipo de prática

Saiba mais, clique aqui

Anúncios

Pirataria: será que você precisa dela ?

O Brasil já foi um dos campeões mundiais da pirataria. A turma mais jurássica lembra muito bem dos tempos da reserva de mercado, uma das idéias mirabolantes do regime militar que assolou a pátria amada salve salve entre 1964 e 1985. Pra quem não se lembra (ou nem tinha nascido), a coisa era mais ou menos assim: com a intenção de estimular a infantil indústria nacional de informática, um conselho de sábios do Congresso canetou a nefasta lei 7.232, em 1984, cujo objetivo era proteger as empresas brasileiras da concorrência internacional e permitir que se desenvolvesse uma tecnologia genuinamente nacional, que estaria a altura do mundo civilizado quando a reserva terminasse. Se hoje em dia isto parece coisa de quem fumou/cheirou/bebeu/injetou, naquela época não foi. O resultado não poderia ser mais desastroso: protegidas pelo guarda-chuva dos militares, as empresas nacionais simplesmente pegavam o que queriam no exterior (hardware ou software), copiavam descaradamente (softwares) ou metiam um selo nacional (hardware) e lançavam como tecnologia genuinamente tupiniquim. Foi simplesmente a oficialização da pirataria. Ninguém escapou: cada fabricante tinha sua versão de Unix, CPM, DOS (O Bill ainda não tinha lançado o Windows), Mac (sim, nem ele escapou !), além de softwares como o WordStar (editor de textos que dominou o pedaço, antes do Office enterrar a concorrência) e muitos outros. A coisa foi tão deslavada que fomos os únicos no mundo a conseguir fazer um clone do Macintosh, da Apple ! E a gang nem se importava muito com a tradução: me lembro de uma das versões nacionais do DOS que pedia uma confirmação antes de formatar o hd, tipo “Confirma a formatação ? (S/N)” e se você respondesse “S” a pergunta era repetida: você tinha que responder “Y”, de yes ! Obviamente, como estavam protegidas, nossas fabricantes praticavam os preços que bem entendiam. O resultado desta safadeza institucional todo mundo já sabe: não criou tecnologia genuína nenhuma, enriqueceu os bezerros da teta governamental e morreu no ostracismo.

A reserva de mercado criou toda uma geração que achava a coisa mais natural do mundo, quando precisava de algum software, simplesmente pegar uma cópia com um amigo e sentar o pau, com a consciência tranquila de um anjo. E eu não culpo os usuários piratas, foram os militares que incentivaram e apoiaram este comportamento.

Bem, o tempo passou, o mundo mudou, o Brasil perdeu a medalha de ouro da pirataria pra China, e… muuuita gente continua fazendo pirataria adoidado, alegando principalmente que os softwares legítimos são caros. É mais ou menos como dizer “Uma Ferrari é muito caro, vou pedir ao mano ali da boca pra ‘fazer’ uma pra mim”…

Verdade seja dita, software nunca foi uma coisa barata, mas opções pra andar ao lado da lei não faltam:

– A Microsoft, vítima mundial número 1 dos piratas, tem versões gratuítas do SQL Server, do Visual Studio (na forma dos pacotes Express), várias versões do Windows e Office mais enxutas e com preços acessíveis e, pra não dizer que não fez sua parte, esta semana anunciou um corte de até 50 % no preço de vários produtos. Hoje você compra versões do Vista ou Office 2007 por menos de R$ 200,00 ! Ainda acha que ela está entupida de dinheiro e não precisa do seu ? Então começa a usar Nescau pirata, porque a Nestlè também tem dinheiro saindo pelo ladrão !

– Precisa de Office mas o preço ainda é caro ? Use o Open Office, ou BrOffice, totalmente gratuítos; quer desenvolver pra .Net mas o Visual Studio está fora do seu orçamento ? Use o SharpDevelop, é grátis ! Precisa de uma plataforma inteira de desenvolvimento e não pode gastar nem um cent ? Vai de Java ! Precisa de um sistema operacional mas não dá pra comprar os Windows ? Taska o Linux ou Solaris, muito poderosos e absolutamente free ! Precisa de um banco de dados parrudo mas não quer vender o apartamento pra comprar um Oracle ? Use o PostgreSql,  um puta banco e totalmente free ! Precisa de um anti-vírus mas vai ficar sem dinheiro pro chopp se pagar R$ 60,00 numa licença ? Use versões gratuítas, tem aos montes ! Está na universidade, quebrado (pra variar) e precisa usar softwares caros ? Todos os grandes fabricantes tem programas de incentivo acadêmico, consulte sua reitoria ! A lista é interminável, mas pode terminar assim: não faltam opções pra você abandonar o vício da pirataria. É um vício sim, já vi muita gente procurar no e-Mule por programas que podem ser baixados direto do site do fabricante totalmente de graça !

Mas o pior pirata não é o usuário caseiro: são as empresas ! É mais ou menos assim:

– Um empresário só anda de carrão zero, vai regularmente às Europas pra relaxar (ou a NY pra fazer compras), mora numa casa ou ap de dar inveja a Hollywood, mas se recusa a gastar R$ 5.000,00 ou R$ 10.000,00 pra legalizar seu software (a ferramenta que sustenta todos os seus gastos);

– Uma softhouse ou desenvolvedor usa uma ferramenta pra ganhar dinheiro, mas se recusa a pagar por esta ferramenta. Mais ou menos como se um motorista de táxi precisasse de um carro novo e preferisse roubar um, ao invés de financiar. Sim, algumas ferramentas são muito caras, mas já avaliou todas as alternativas pra se legalizar ? Por exemplo, a Microsoft tem um pacote chamado ISV, entre outros, que cobra uma assinatura anual de US$ 500,00, e em troca te fornece um mundo de produtos, incluindo todas as versões do Windows, SQL Server, Visual Studio, Office, etc; eles te mandam tanto dvd mensalmente que você vai ter que ampliar sua estante. E pra se tornar um parceiro oficial da Microsoft, é simples e grátis, veja aqui.

Conclusão: se por acaso eu pus o dedo na sua ferida, caro leitor que está na categoria dos fora da lei, não me desculpo. Mostrei rapidamente aqui que opções é que não faltam. Mas se você é herdeiro da reserva de mercado e acha que está tudo bem, boa sorte e seja feliz. Só não se esqueça que você também pode ser vítima de pirataria, e aí vai ver como dói gastar um tempasso pra construir alguma coisa e alguém simples e inocentemente distribuir cópias pros amigos.

Pirataria nos olhos dos outros é refresco…

Retirado: Kohl

Chip TPM deve acabar com a pirataria de jogos

 

atari

Para o fundador da empresa de videogames Atari, Nolan Bushnell, a pirataria de jogos eletrônicos está com os dias contados. Durante palestra em conferência anual da Wedbush Morgan Securities, na semana passada, Bushnell condicionou o fim das cópias ilegais a um chip: o TPM.
Segundo ele, o chip TPM está sendo integrado às próximas gerações de placas-mãe e dará resultado quando estiver bastante difundido no mercado. Mas a peça “milagrosa” não será capaz de deter a cópia ilegal de filmes e música. “Se você consegue ver e ouvir, você consegue copiar”, disse Bushnell.
“Nós, da indústria dos games, vamos poder codificar dados com uma chave de segurança particular absolutamente possível de ser verificada. Isso vai permitir que mercados gigantescos se desenvolvam onde a pirataria tem sido um grande problema”, disse, segundo relato do site “Games Industry.biz”.

 

Fonte: G1